Home / Recursos / Estudos / Oração
Devocional
Pr. Davi F. M. Cáceres
sobre o autor
30/10/2012

OraçãoImprimir

ORAÇÃO

 Há assuntos bíblicos difíceis de entender como a conciliação da soberania divina e liberdade humana, a união das duas naturezas em Cristo, a inspiração das Escrituras e, em certo grau, a oração. A oração em muitos momentos se constitui num mistério para mim. Por que preciso conversar com Deus a cerca da vida sendo que Ele já sabe tudo o que irei falar a Ele? A oração é uma prática piedosa da vida cristã que tem sido negligenciada por muitos cristãos. A instantaneidade dos nossos dias é contrária a um momento de conversa com Deus e, as práticas orientais de meditação confundiram o entendimento de muitos cristãos que pensem que orar é esvaziar a mente. Durante nossas próximas devocionais vamos considerar o que a Bíblia fala sobre a oração.

Terça-feira

TEXTO: LEIA O TEXTO DE CITADOS HOJE

1. Começaremos nosso pensar sobre oração olhando para esta dinâmica de comunicar-se com Deus em toda a revelação bíblica de forma panorâmica. Nos primeiros capítulos de Gênesis lemos o relato da criação da Terra e, consequentemente, do homem. Neste momento da criação o homem tinha livre e pleno acesso ao Pai e parece que o homem e Deus desfrutavam de momentos de conversas. Em Gn.3.8-10 vemos que Deus veio ao jardim e o homem esperava Sua chegada, pois isto era o habitual, e por isso se escondeu por saber que havia pecado. A comunhão entre Criador e criatura havia se rompido por escolha da criatura (vd. Gn.3.24). Deus, contudo em sua infinita graça e bondade ainda nos permite ter acesso a Ele. O meio que Ele nos deixou para nos comunicarmos é a oração. Nos dias de Jó, os homens já oravam a Deus (vd. Jó. 16.17; 21.15; 22.27). Abraão orou (vd. Gn.15.2; 18.22). Moisés orou (vd. Nm.21.7). Os profetas oraram (vd. Dn.9.1-19; Jr.11.14; Jn.2.1). Nos dias dos reis de Israel houve oração (vd. I Sm.1.10; II Sm.7.18.29). Jesus e seus discípulos oraram (vd. Mc.6.46; At.1.14; 2.42).  Em todas as Escrituras homens santos oraram a Deus, conversaram com Ele, pois em Sua graça Ele permite. Como está a sua vida de oração? Escreva como se dá a sua dinâmica de oração. Você tem exercitado este aspecto fundamental da sua caminhada cristã? Quero desafiá-lo a crescer nesta área.

Quarta-feira

TEXTO: LEIA O TEXTO DE Jo.14.14; 16.23,24; I Jo.2.1

1. Uma das questões fundamentais para entendermos a oração é perceber que o acesso que temos ao Pai, o privilégio que Ele nos deu de conversarmos com Ele se dá, exclusivamente, através de Jesus Cristo. Por nós mesmos somos incapazes de nos aproximar de Deus, somente pela pessoa de Cristo. Este é o motivo que nossas orações devem ser em nome de Jesus e foi isso que Jesus ensinou (vd. Jo.14.14; 16.23,24). O motivo disso é que Ele é o nosso intercessor junto ao Pai (vd. I Jo.2.1). Assim, a oração no nome de Cristo é um exercício de fé. Eu creio que Cristo intercede junto ao Pai e creio que Deus ouve as minhas intercessões por meio de Cristo. Lembre-se que o pecado nos afastou de Deus e só por Cristo podemos ter a comunhão reestabelecida com Deus. Não é mera religiosidade orar no nome de Cristo, é uma confissão de incapacidade pessoal de se relacionar com Deus aparte de Jesus. Este é o momento de você orar a Deus dando graças pela pessoa e obra de Cristo que permitiu que nós tivéssemos acesso ao Pai.

Quinta-feira

TEXTO: LEIA O TEXTO DE Mt.6.5,6; Lc.18.9-14

1. Oração deve ser praticada pelo cristão, mas a prática com uma compreensão distorcida pode se constituir numa rotina farisaica. Nos dias do Novo Testamento havia pessoas que utilizavam a oração como uma maneira de se exibir e de receber reconhecido. Em Lc.18.9-14, Jesus está ensinando seus discípulos sobre homens que confiavam em si mesmos (vd. Lc.18.9). Como se verifica que estes homens confiam em si mesmos? Pela maneira como eles oravam (vd. Lc.18.10-14). Eles oravam para de colocar numa posição de superioridade aos outros e não de humilhação diante de Deus. Em outro momento Jesus repreende aqueles que gostam de orar para serem vistos por sua prática de oração (vd. Mt.6.5). Jesus, então, diz que a oração deveria ser praticada num ambiente íntimo para que você não caia na tentação de querer ser visto e reconhecido por outros (vd. Mt.6.6). Jesus não está sendo contra a oração pública praticada na comunidade cristã para edificação mútua. Ele está corrigindo o orgulho expresso por alguns que gostam de orar publicamente para serem elogiados. A oração sendo usada de maneira distorcida e corrompida. Este é o momento para você avaliar as suas orações. Você é cheio de justiça própria quando ora, julgando-se superior aos outros, ou não? Como você percebe isso em sua vida. Qual o motivo que te leva a realizar orações públicas? Não quero que pare de orar publicamente, mas que ore publicamente com a motivação correta.

Sexta-feira

1. Hoje não teremos um texto específico, mas uma atividade para lhe ajudar na sua dinâmica de oração. Em uma folha de papel escreva quais são os atributos de Deus que você deseja lembrar em suas orações; depois escreva os motivos de contentamento e louvor que você tem sua vida; em seguida aliste o nome de pessoas e irmãos em Cristo que você ora ou quer orar por ele; e, por último quais são os seus anseios, lutas e desejos. Agora coloque os dias da semana numa outra folha. Em cada um dos dias coloque ao menos um atributo, um motivo de alegria, o nome de irmão e um anseio e desejo. Distribua tudo o que você listou nos dias da semana. Quando terminar de fazer isso coloque a lista num local visível para que você possa se lembrar de orar. Agora você tem uma agenda de oração que ajudará você a organizar as suas orações.

P.s.: Se você quiser fazer isso com um mural de fotos, também é bem interessante!

Pr. Davi F. M. Cáceres
Autor
Pr. Davi F. M. Cáceres
Pr. Davi F. M. Cáceres
IGREJA BATISTA PEDRAS VIVAS - RUA GUACUMÃ, 535 - VILA CALIFORNIA, SP - VEJA O MAPACONTATOIBPV MAILINDIQUE A UM AMIGO
Indique um amigo *Campos obrigatórios