Home / Recursos / Estudos / Humildade
Devocional
Pr. Davi F. M. Cáceres
sobre o autor
25/09/2012

HumildadeImprimir

HUMILDADE

 Nas próximas semanas gostaria de meditar contigo no tema da humildade. Ao fazermos a nós mesmos a pergunta - Sou humilde? - seremos desafiados a considerar aquilo que passa em nossos corações. Independente de nossa resposta a esta pergunta estaremos diante de um dilema. Se respondermos que sim, que somos humildes, imediatamente poderemos pensar: Será que uma resposta afirmativa não é um sinal da minha falta de humildade? Se respondermos que não, que não somos humildes, teremos sem dúvida alguma que considerar os nossos caminhos e sondar os motivos do nosso coração. Sem dúvida alguma, somos menos humildes do que pensamos e mais arrogantes do que consideramos. Oremos a Deus pedindo graça e misericórdia para pensarmos acertadamente sobre este assunto.

Terça-feira

TEXTO: LEIA O TEXTO DE Tg.4.1-12

1. A virtude cristã da humildade tem no orgulho seu contraponto pecaminoso. Stuart Scott coloca bem em seu livro Do orgulho à humildade - "O orgulho é um mal epidêmico. Ele está em todo lugar e se manifesta de muitas maneiras. Por mais que odiemos admitir, todos nós temos orgulho - todos, sem exceção". Sei que esta frase é dura, mas ela é correta. Você e eu somos cheios de orgulho e, muitas vezes, não estamos prontos para reconhecer e confessar que vivemos cultivando este pecado em nossas vidas. Os conflitos existentes entre nós homens se deve em muito ao nosso coração orgulhoso. É sobre isso que Tg.4.1-12 fala. As contentas e guerras procedem do nosso coração, pois ele deseja de modo orgulhoso aquilo que não provém de Deus e que é próprio do mundo (vd.Tg.4.1-6). A melhor maneira de lutarmos contra essa soberba que gera conflitos é sujeitar-se a Deus reconhecendo nossos pecados humildemente (vd. Tg.4.7-10). Se não houver uma confissão humildade perante Deus de que as lutas e contendas procedem de nosso coração orgulhoso, praticaremos outro pecado - o da maledicência. Pois seremos nós, envolto em nosso orgulho, os juízes (vd. Tg.4.11,12). O orgulho se torna visível todas as vezes que reivindicamos os nossos desejos orgulhosos e cobiçosos. Nossa humildade se evidencia pela submissão a Deus e o abnegar dos nossos desejos mundanos de forma contrita. Deseja identificar a humildade em sua vida, então comece respondendo e refletindo em pequenas coisas: Você está comumente envolvido em conflitos? Descreva um pouco dos motivos que podem estar por trás destes constantes conflitos. Diante de um pecado em sua vida você é reconhece, confessa e se arrepende de modo submisso e contrito? Qual foi a última vez em que você pediu perdão por um pecado seu? Isso pode dizer algo do seu coração? Como?

Quarta-feira

TEXTO: LEIA O TEXTO DE Sl.119.51; Pv.3.34; Lc.3.5; Rm.12.3

1. Neste momento creio que você já começou a sua reflexão para identificar em você a humildade ou o orgulho/arrogância. Gostaria antes de continuar, estabelecer uma definição simples de humildade. Em Pv.3.34, vemos que o Senhor pune o escarnecedor (zombador). O zombador é alguém soberbo (vd. Sl.119.51). Porém, aquele que se humilha Deus concede graça. O humilde é alguém que se coloca numa posição de inferioridade, de submissão reconhecendo sua necessidade de graça. No evangelho de Lucas, a palavra humildade no original foi utilizada para se referir a uma montanha que foi colocada no nível do solo (vd. Lc.3.5), trazendo a ideia de algo que tinha uma posição elevada e foi coloca numa posição inferior. O apóstolo Paulo escreve em Rm.12.3 para ninguém "pense de si além do que convém". Este texto nos trás duas realidades. A primeira, diz respeito a se ver numa posição elevada. Pensar que é algo que você não é (orgulho/soberba). A segunda, refere-se a ter uma visão de si de "falsa humildade". Ou seja, é saber que você foi capacitado por Deus para fazer algo, mas ficar negando para demonstrar uma "falsa humildade". Se você foi capacitado por Deus, amém! Louve a Deus. Olhando para estes textos de modo breve podemos dizer que um dos aspectos da humildade é: reconhecer que existem áreas na sua vida que precisam ser aperfeiçoadas, na mesma medida em que vive ciente de suas áreas fortes reconhecendo que isso é graça de Deus. Continuaremos nossa definição de humildade amanhã, mas por hoje aliste quais são as suas áreas que precisam ser aperfeiçoadas e aquelas que são as suas áreas fortes. Peça a um irmão maduro, ao seu cônjuge para te ajudar nesta dinâmica. Depois de alistar as suas áreas, ore a Deus clamando por graça para ser alguém que reconhece os limites e também que vive debaixo da graça.

Quinta-feira

TEXTO: LEIA O TEXTO DE Sl.18.27

1. Estamos pensamos num conceito de humildade e vimos ontem que um dos aspectos da definição passa por reconhecer as áreas que precisam ser aperfeiçoadas e as áreas fortes que você possui pela graça de Deus. Não podemos, porém, parar por aqui. O Sl.18.27 explica muito bem que humildade e arrogância/soberba são vistas frente um padrão, que é o próprio Deus. Deus observa e sabe quem é o humilde e Ele salva o humilde. Deus, também, observa e pune aquele que é arrogante. Então, humildade não é um padrão humano, mas um padrão divino. Assim, humildade tem um aspecto que diz respeito ao relacionamento do homem com Deus. Dessa maneira, poderíamos dizer que humildade é a decisão de avaliar a si mesmo (suas áreas fortes e suas áreas que necessitam de aperfeiçoamento) em completa dependência de Deus e viver em busca da santidade por Ele estabelecida. Esta definição visa olhar para o aspecto do rebaixamento necessário que cada um precisa ter e também para o padrão de humildade que o próprio Deus possui e pelo qual Ele julga. Olhando para a sua vida e para esta simples definição, como você poderia avaliar a sua vida de humildade? Faça algo como um diário onde você poderá relatar com tem sido a sua vida de humildade ou orgulho.

Sexta-feira

TEXTO: LEIA O TEXTO DE Fp.2.1-11

1. Para finalizarmos nossa primeira semana sobre humildade não poderíamos de considerar o nosso maior exemplo de humildade - Cristo. A igreja de Filipos era uma igreja com muitos conflitos. Como já vimos, conflitos refletem corações orgulhosos. A humildade é o oposto do orgulho e refere-se a é a decisão de avaliar a si mesmo em completa dependência de Deus e viver em busca da santidade por Ele estabelecida. Quando olhamos para as disputas internas de Filipos (vd. Fp.2.1-4) vemos o porque Paulo deve usar o modelo de Cristo. Porque enquanto alguns fazem exigências e buscam os seus próprios interesses julgando ser ou ter algum valor, Cristo sendo Deus não julgou como usurpação o ser igual a Deus, antes assumiu a forma de servo, humilhou-se a si mesmo e foi obediente até morrer. Comparemos nossa definição e o modelo de Cristo. Primeiro ponto: decisão de avaliar a si mesmo. Cristo avaliou a si mesmo e sempre soube que era Deus. Segundo ponto: em completa dependência. Cristo sabendo que era Deus, escolheu depender plenamente de Deus e assumiu forma humana, deixando sua posição anterior. Terceiro ponto: viver em busca de santidade por Ele estabelecida. Cristo viveu exatamente como Deus desejou que Ele vivesse, em santidade até a morte. Cristo foi humilde! Deus o exaltou no final do processo, pois é isso que Deus faz com os humildes (vd. Fp.2.5-11). Clamemos a Deus para que nos tornemos como Cristo, humildes e não revindicadores de direitos.

Obs.: Na próxima semana não teremos nossa devocional, pois estarei em um congresso. Retornaremos no dia 09.10.2012, com a segunda parte de nossa devocional sobre humildade.
 

Pr. Davi F. M. Cáceres
Autor
Pr. Davi F. M. Cáceres
Pr. Davi F. M. Cáceres
IGREJA BATISTA PEDRAS VIVAS - RUA GUACUMÃ, 535 - VILA CALIFORNIA, SP - VEJA O MAPACONTATOIBPV MAILINDIQUE A UM AMIGO
Indique um amigo *Campos obrigatórios