Home / Recursos / Estudos / Daniel
Devocional
Pr. Davi F. M. Cáceres
sobre o autor
08/11/2011

DanielImprimir

DANIEL

 Como agir dentro duma sociedade perversa, que te conduz para longe de Deus a cada nova oportunidade, mantendo a esperança na obra do nosso Senhor? Daniel, nosso personagem da semana, é um exemplo claro disso. Levado ao cativeiro, ele se mantém fiel a Deus debaixo de forte pressão e tem sua grande esperança na obra futura de Deus. Vamos caminhar pela vida deste personagem e aprender dele e com ele.

Terça-feira

TEXTO: LEIA O TEXTO DE Dn.1.1-21
 
1. Este primeiro capítulo nos apresenta os personagens dessa história. Daniel e seus três amigos (de quem falaremos em outra devocional) chegaram a Babilônia depois do cerco a Jerusalém, realizado por Nabucodonosor em 605 a.C., onde pessoas influentes da sociedade judaica e jovens capazes e promissores foram levados para a grande capital da época - Babilônia (cf. II Rs.36.5-7). A primeira determinação do rei Nabucodonosor foi a de chamar os melhores jovens de Israel para que fossem instruídos na ciência dos caldeus (Dn.1.3,4). Dentre as determinações dadas pelo rei estava que os jovens deveriam comer uma determinada dieta. A dieta, entretanto, não agradou a Daniel e seus três amigos, pois elas violavam as estipulações da lei para a alimentação (Lv.11.1-47). Essa decisão de Daniel e dos seus amigos trouxe grande temor para o responsável do cuidado dos eunucos do rei. Com sabedoria, propuseram uma alternativa para lidar com uma situação complexa. Comer uma dieta específica durante dez dias e depois se reavaliar a condição dos quatro. Resultado a saúde dos quatro era superior a saúde daqueles que comeram as delícias do rei. A fidelidade destes quatro jovens foi honrada por Deus com inteligência e sabedoria superiores aos seus pares, a ponto de responderem ao rei a partir de então. Vamos pensar em nossas vidas. Temos constantes situações onde devemos escolher entre fazer o que é fácil abrindo mão da fidelidade a Deus ou fazer o que é difícil mantendo a fidelidade a Deus. Você consegue se lembrar de alguma situação como essa? Aliste ao menos três e descreva qual foi a sua resposta. Sempre há uma saída para uma situação problema. Nem sempre a saída é aquela que nos dá, aparentemente, o que é melhor momentaneamente. Aos olhos de Deus a melhor saída é aquela onde o homem demonstra sua fidelidade e lealdade a Deus e descansa na Palavra de Deus. Quais são os critérios que você utiliza para tomar uma decisão? Aliste. Verifique se considerar o que a Palavra de Deus fala sobre aquela decisão está em sua lista. Descreva como a Palavra pode auxiliá-lo na tomada de uma decisão? Descreva quais são os benefícios de seguir a Palavra? Veja o que Deus fez com Daniel e seus amigos.
 
Quarta-feira

TEXTO: LEIA O TEXTO DE Dn.2.1-49

1. Este é um capítulo fundamental não só para o entendimento do livro de Daniel, mas também para compreender a perspectiva histórica da humanidade a partir da queda do império babilônico. Existe, também, algo extremamente importante neste capítulo que diz respeito à atitude de Daniel em meio a circunstâncias tão desfavoráveis quanto as estudadas ontem. O rei Nabucodonosor havia sonhado e queria que alguém desvendasse o seu sonho e desse uma interpretação para ele. Caso isso não fosse feito todos os que serviam ao rei, como sábios, seriam mortos (Dn.2.5,6). A resposta dos sábios do rei é que não há ninguém que possa fazer tal cousa, senão deuses (Dn.2.10,11). O rei reage a resposta e ordena a morte de cada um deles. Daniel e seus amigos não sabiam do ocorrido, mas seriam mortos mesmo assim (Dn.2.13). Quando soube Daniel o que iria ocorrer, este avisou a Arioque, emissário do rei, para que o levasse a presença do rei. Diante do rei, Daniel pede tempo para que traga o sonho e a interpretação. Então, surge mais uma das ações de Daniel diante da tomada de decisão num mundo cheio de iniquidade - oração. Ele volta para casa e vai orar com seus amigos para que Deus pudesse lhes dar a oportunidade de conhecer o mistério do rei (Dn.2.17,18). Deus dentro da sua graça e bondade lhes permite conhecer o sonho do rei. Daniel, então, volta à presença do rei e revela tanto o sonho como a interpretação. Antes, contudo, Daniel exalta a Deus reconhecendo o controle de Deus sobre toda a história e o único conhecedor de todas as coisas (Dn.2.20-24). Exposto ao rei o sonho e a interpretação, este se surpreende e coloca Daniel como governador da Babilônia, reconhecendo que Deus é único e o único capaz de revelar tal ministério (Dn.2.46-48). Diante deste fato notamos como Daniel lidava para manter-se fiel em um contexto de infidelidade, clamava a Deus por sabedoria para solucionar os dilemas da vida presente. Olhe para sua vida e responda: Você tem o hábito de orar? Se sim, descreva quais são os benefícios da oração em sua vida. Se não, estabeleça um plano para iniciar sua vida de oração a Deus (peça auxílio a um amigo neste processo). Quer você tenha o hábito ou não, estabeleça uma lista de oração. Use seu tempo de oração para exaltar e louvar a Deus.

Obs.: Lembre-se do que Daniel tem feito para manter-se fiel em um contexto de impiedade: a. busca de alternativas sábias mantendo-se fiel a Palavra; b. ora, buscando sabedoria e discernimento num momento de dúvida.

Quinta-feira

TEXTO: LEIA O TEXTO DE Dn.4.1-5.31

1. O orgulho e a prepotência marcaram a vida de Nabucodonosor e seu filho Belsazar. Provérbios 16.18 diz que a "a soberba precede a ruína, e a altivez do espírito, a queda". Esse é o caso desses dois reis. Ambos se jactaram do seu poder e domínio e o Senhor fez com que os dois caíssem diante dele de modo humilhante. Nabucodonosor passou um período de sua vida agindo como um animal, enquanto Belsazar morreu de modo abrupto. Nabucodonosor vangloriou-se do poder, da extensão, e da riqueza de seu reino (Dn.4.30) e Belsazar defraudou os utensílios do tempo do Senhor e não teve temor (Dn.5.22,23). O orgulho destes homens os levou a ruína e derrota da nação, mas a humildade de Daniel o conservou durante o reinado de diferentes líderes. A impiedade de um gerou a destruição, a fidelidade de outro conservou a vida. Você é capaz de identificar áreas de orgulho em sua vida, sim ou não? Descreva quais são elas (se você não consegue identificar, pergunte a um amigo bastante leal que como um ferro que afia o irmão possa lhe ajudar nessa tarefa. Se você for casado pergunte ao seu cônjuge). Alistado, estabeleça quais passos você pode dar para tornar-se mais humilde nessa área que você identificou. Veja que no caso de Nabucodonosor, para ele reconhecer o poder de Deus ele precisou agir como um animal. Você está disposto a humilhar-se completamente diante de Deus para lidar com um pecado seu? Vendo o exemplo de Daniel, em quais áreas você pode dizer que tem se mantido fiel ao longo dos anos? Descreva. Como você pode manter-se alerta para não descuidar desta área que você tem vencido pela graça de nosso Deus? Faça um plano de ação.

Obs.: Veja que a lista está crescendo: a. busca de alternativas sábias mantendo-se fiel a Palavra; b. ora, buscando sabedoria e discernimento num momento de dúvida; c. mantém a sua fidelidade com uma atitude humilde diante de um mundo iníquo.


Sexta-feira

TEXTO: LEIA O TEXTO DE Dn.6.1-28

1. O história que mais lembramos na vida de Daniel é aquele que mais demonstra seu amor a Deus e aos Seus estatutos. Daniel é invejado por outros homens que buscam seu posto de comando dentro do império de Dario. Estes homens invejosos buscavam na vida de Daniel algo que pudessem usar para incriminá-lo, contudo, nada encontraram (Dn.6.4,5). O modo de incriminar alguém piedoso é tornar a prática piedosa um crime. Pediram ao rei Dario que criasse uma lei que proibia a oração a qualquer Deus. Todas as petições e súplicas deveriam ser feitas exclusivamente ao rei. A desobediência levaria a pessoa à cova dos leões (Dn.6.7). Isso agradou o rei que assinou, pois o colocava numa posição divinização. Daniel não me amedrontou e continuava a orar três vezes ao dia como era o seu costume. Sabedores disso, seus perseguidores aguardaram o momento oportuno para lhe prender, julgar e jogar na cova dos leões. Daniel, não temeu a morte, e manteve-se fiel a Deus (Dn.6.11-18). A fidelidade a Deus é superior a vida. O sofrimento momentâneo pode ser fruto da piedade e obediência. Esta é a situação de Daniel. Deus, bondoso, poupa a vida de Daniel que passa uma noite dentro da cova de leões e não é morte por eles. Os acusadores, o próprio Dario os lança a cova junto com suas famílias e são mortos pelos leões antes de tocarem o chão (Dn.6.24). O Senhor preserva o seu justo em meio a situações de dor e sofrimento provenientes de decisões piedosas. É bem possível que você já tenha se mantido fiel a um princípio ou mandamento do Senhor e sofreu por isso. Saiba que Deus está cuidando da sua vida e zelando por ela. Não é que você terá sempre ausência de dor, mas terá sempre a certeza do cuidado de Deus. Louve a Deus neste momento pelo fato Dele cuidar de você em cada momento de sua vida e clame a Deus para que o seu coração seja como o de Daniel que obedecia quando o legal era a impiedade.

Pr. Davi F. M. Cáceres
Autor
Pr. Davi F. M. Cáceres
Pr. Davi F. M. Cáceres
IGREJA BATISTA PEDRAS VIVAS - RUA GUACUMÃ, 535 - VILA CALIFORNIA, SP - VEJA O MAPACONTATOIBPV MAILINDIQUE A UM AMIGO
Indique um amigo *Campos obrigatórios