Home / Recursos / Estudos / Onisciência
Devocional
Pr. Davi F. M. Cáceres
sobre o autor
11/06/2013

OnisciênciaImprimir

ATRIBUTOS DE DEUS - ONISCIÊNCIA

A onisciência de Deus é o atributo que afirma que Deus conhece perfeitamente todas as coisas. A. W. Tozer expressa essa ideia de modo muito claro: "Deus conhece as coisas perfeitamente, Ele não conhece melhor uma coisa do que outra, mas todas as coisas conhece igualmente bem. Ele nunca descobre nada. Nunca se surpreende nem se maravilha. Nunca Se pergunta nada nem procura informações ou faz perguntas, a não ser quando chama os homens para o próprio bem deles". O conhecimento pleno e perfeito de Deus evidenciam a ignorância do homem. Diante desta convicção a submissão voluntária se faz imprescindível. Que seja essa a nossa disposição e oração! Soli Deo Gloria

Terça-feira

TEXTO: LEIA O TEXTO DE SL.139.16; IS.40.13,14;

1. A onisciência de Deus é ao mesmo tempo confrontadora e consoladora. Confrontadora, pois diante da certeza de que Deus sabe todas as coisas, nada está oculto a Ele. Nem mesmo os meus desejos e pecados mais íntimos estão ocultos do Senhor. Consoladora, pois diante da certeza de que Deus sabe todas as coisas, nada do que ocorre conosco "pega" a Deus de surpresa. Quão bom é saber que Deus está plenamente ciente do que se passa em sua vida e sabe o que é melhor para você. O Sl.139.16 mostra que Deus conhece cada detalhe da vida do homem. Desde os primeiros momentos da gestação, quando não há qualquer forma no feto, Ele já conhece tudo sobre aquela pessoa. Já em Is.40.13,14 o profeta faz uso de inúmeras perguntas cujas respostas são evidentes - ninguém! Ninguém instruiu o Senhor ou foi o Seu conselheiro. Ele sabe todas as coisas e não precisa ser instruído nem mesmo aprender algo. Ninguém conhece melhor do que Deus. Gostaria que você começasse esta semana memorizando o Sl.139.16. Ao memorizá-lo, medite neste conhecimento pleno do nosso Senhor buscando discernir quais as implicações dessa verdade em nossa vida.

Quarta-feira

TEXTO: LEIA O TEXTO DE I SM.16.7; JR.17.9,10; HB.4.13

1. Ontem começamos nossa meditação afirmando que a onisciência de Deus é tanto confrontadora como confortadora. Hoje veremos de modo um pouco mais específico o aspecto confrontador deste atributo. O profeta Samuel fora enviado pelo próprio Deus para ungir um novo rei para Israel. Ao chegar no local definido Samuel tem a tendência de escolher pela aparência, mas Deus não se importa com a aparência. Deus se importa com o coração, pois Ele conhece plenamente o nosso coração (I Sm.16.7). O profeta diz que o Senhor esquadrinha e prova o coração, coração este que é enganoso (Jr.17.9,10a), justamente para retribuir segundo o fruto das ações alimentadas neste coração (Jr.17.10b). Diante desta realidade o autor de Hebreus descreve que todos deveremos prestar contas àquele que tem tudo revelado aos seus olhos (Hb.4.13). Deus olha o nosso coração enganoso e o sonda e ao sondá-lo age de acordo com a Sua retidão e santidade e por fim daremos conta a Ele. Nada fica oculto ao Senhor. Portanto, deveríamos viver sabedores de que Deus está ciente do que você está fazendo e pensando neste exato momento. Não devemos viver com medo, pois Cristo nos libertou. Porém, não devemos viver de modo libertino, pois Cristo ordenada que vivamos em obediência. Deus sabe como você vive! A pergunta que devemos nos fazer agora é: Tenho vivido ciente de que Deus sabe tudo sobre a minha vida? Aliste como este conhecimento modifica a sua vida de devoção a Deus. Quais as ações possíveis para você viver com este perspectiva em sua mente? Descreva.

Quinta-feira

TEXTO: LEIA O TEXTO DE JO.21.15-19

1. Já vimos como o noção da onisciência de Deus pode ser confrontadora. Hoje, porém, veremos como pode ser confortadora. A mesma certeza de que Deus conhece os nossos corações e nos faz tremer, também é fonte de grande consolo, conforto e libertação. A história de Pedro é bastante conhecida por nós, principalmente o relato de seu negar a Cristo três vezes quando este estava preso (Jo.18.25-27). Após a sua ressurreição Cristo encontra-se novamente com Pedro e desenvolve um curto, mas encorajador diálogo. Suas perguntas eram claras e diretas, não havia qualquer possibilidade de má compreensão. Foram três as perguntas e eram elas na essência "Tu me amas?". Chama-nos a atenção o fato de terem sido três os questionamentos o mesmo número de negações. As respostas de Pedro, entretanto, se alteram. As primeiras duas respostas são "Sim, Senhor, tu sabes que te amo". Ao ser questionado a terceira vez, porém, sua resposta muda: "Senhor, tu saber todas as cousas, tu sabes que eu te amo" (Jo.21.15-19). Sua última resposta trás a tona a verdade da onisciência de Deus. Cristo que era Deus e sabia todas as coisas, conhecia aquilo que se passava no coração de Pedro e não há maior certeza e conforto saber que Deus conhece o nosso coração disposto a amá-lO. Ele conhece melhor do que ninguém a convicção íntima que cada um de nós tem por servi-lO, amá-lO e obedecê-lO. É confortante descansar no fato de mesmo sendo eu um pecador, quando há em nós um coração transformado desejoso de obter comunhão com o pai, Ele saberá disso e usará para Sua causa. Há em ti este coração? Como você pode perceber isso em sua vida? Aliste quais são as evidências deste coração que se volta para amar a Deus. Se não há este desejo de amar a Deus, busque identificar os motivos.

Sexta-feira

TEXTO: LEIA O TEXTO DE PV.9.4-6, 9-11; I CO.1.18-25; 2.10

1. Não podemos ser oniscientes como Deus. Este atributo é uma prerrogativa divina, contudo podemos conhecer, por meio da aprendizagem, sobre as situações, fatos e coisas que nos cercam. Podemos também conhecer a Deus e escolher viver debaixo da sabedoria dEle. Podemos conhecer a Deus, pois Ele se revelou a nós. Podemos conhecer a Deus, pois deixou o Seu Espírito que conhece o coração de Deus (I Co.2.10). O evangelho e a obra de Deus são loucura para os sábios desta era, mas Deus é quem desvenda os nossos olhos para que o conheçamos plenamente (I Co.1.18-25). Diante do fato de que cremos na loucura da evangelho e recebemos o Espírito Santo que nos ilumina a conhecer a Deus devemos optar pela sabedoria divina (Pv.9.4-6, 9-11). Viver escolhendo a sabedoria divina é buscar conhecer como Deus conhece. Cada um de nós tem um escolha a fazer frente a certeza da habitação do Espírito naquele que crê - ser sábio ou ser tolo. Devemos conhecer mais para viver mais para glória de Deus. O que você decidirá? Segue um poema escrito por Richard Baxter, no século XVII, quando esteve preso injustamente aos 70 anos de idade e que reflete seu descanso na onisciência de Deus.

Senhor, não é minha preocupação
Saber se vou morrer ou viver;
Amar e servir-Te são minha porção,
E esta deve graças a Ti render.
Se a vida for longa, feliz estarei,
Pois te obedecerei por tempo considerável;
E se for curta, por que me entristecerei
Ao saudar o dia infindável?
Cristo não me leva a nenhum cômodo sombrio
Por onde Ele mesmo já não tenha passado
Por esta porta deve passar sem desvio
Todo aquele que quer entrar em Seu reinado
Vem, Senhor, quando a graça irá permitir
Que Teu rosto bendito eu posso ver?
Pois, se na Terra é doce o Teu agir,
Como, então, a Tua glória há de ser?
Meu saber sobre aquela vida é diminuto,
Os olhos da fé estão a se turvar;
Basta-me ver que o saber de Cristo é absoluto
E que com Ele hei de estar

Pr. Davi F. M. Cáceres
Autor
Pr. Davi F. M. Cáceres
Pr. Davi F. M. Cáceres
IGREJA BATISTA PEDRAS VIVAS - RUA GUACUMÃ, 535 - VILA CALIFORNIA, SP - VEJA O MAPACONTATOIBPV MAILINDIQUE A UM AMIGO
Indique um amigo *Campos obrigatórios