Home / Recursos / Estudos / Justiça
Devocional
Pr. Davi F. M. Cáceres
sobre o autor
30/07/2013

JustiçaImprimir

ATRIBUTOS DE DEUS - JUSTIÇA

Um dos atributos de Deus que mais dificuldade temos em compreender é a Justiça de Deus. Estamos extremamente familiarizados com a ideia de que Deus é amoroso, bondoso, misericordioso e gracioso. Talvez, esta nossa "preferência" não seja por alguma evidência bíblica que a apoie, antes pode ser por uma compreensão de que estes atributos são mais "favoráveis" a nós. E uma vez que são mais "favoráveis", tornam-se a melhor expressão de quem Deus é. Pensar em um Deus que é justo, na mente de alguns é corrupção, é perverter o caráter de um Deus que é amor. As Escrituras, entretanto, afirmam o contrário. A Palavra de Deus afirma que Deus é tão justo quanto é amoroso, bondoso, misericordioso e gracioso. Qualquer desequilíbrio na compreensão destes conceitos nos conduzirá a uma deturpação do caráter de Deus e de Sua obra. Se Deus não fosse amoroso e gracioso, não seríamos salvos. Se Deus não fosse justo, o preço pelo nosso pecado não seria pago. A maior manifestação da graça de Deus é também a maior expressão de Sua justiça, a Cruz de Cristo. A justiça e a graça de Deus ficam muito claras neste belíssimo texto de Paulo em Rm.8.1 "nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus". Count N. L. Zinzendorf séculos atrás escreveu: Jesus, O Teu sangue e Tua justiça, são minha glória, minha beleza; Por entre mundos fulgentes, com estes me ataviarei, E com júbilo a minha cabeça levantarei Corajoso, no Teu grande dia me apresentarei, Pois ninguém me atentará acusação. Por teu sangue e Tua justiça estou absolvido - De pecado e temor, da culpa e da vergonha. Justiça como parte do caráter de Deus, jamais deveria ser esquecida ou minimizada. De outra forma, pois, adoraremos a outro deus. Soli Deo Gloria

Terça-feira

TEXTO: LEIA O TEXTO DE DT.32

1. O capítulo 32 do livro de Deuteronômio é o cântico final de Moisés, líder nacional que está prestes a deixá-la para que entre na terra prometida. O cântico é intenso e nos conduz a uma clara percepção da santidade de Deus e da retidão necessária para uma vida de comunhão com o Senhor. Moisés mesmo afirma isso no verso 47 "Porque esta palavra não é para vós outros cousa vã; antes, é a vossa vida; e, por esta mesma palavra, prolongareis os dias na terra à qual, passando o Jordão, ides para possuir". Essa grande verdade é sustentada pelo traço do caráter de Deus afirmado vigorosamente no verso 4 - "Deus é justo e reto". Justiça de Deus é a aplicação de Sua retidão que, por sua vez, é o viver dEle aos Seus próprios padrões de santidade. O Senhor vive em retidão, ou seja, não viola qualquer padrão por Ele estabelecido, assim Ele é reto. Por viver em retidão, aquele que não vive em conformidade a sua retidão é alvo da Sua justiça. Ninguém é reto e justo ao seus próprios olhos, somente aos olhos de Deus, pois só Ele pode agir com plena e perfeita justiça. É exatamente isso que Moisés esta afirmando. O salmista ecoa esta mesma verdade (Sl.9.8). Uma nota digna é percebermos que ao final desta canção Moisés é conduzido por Deus para morrer longe da terra prometida devido a sua desobediência (Dt.32.48-52). A afirmação de que Deus é justo está sendo feita por alguém que foi alvo da justiça. Que humilde Moisés foi. Olhando para sua vida, com que clareza você compreende a justiça manifesta de Deus com a mesma humildade de Moisés, que mesmo sendo o alvo dela, exalta justamente este atributo de Deus? Creio que Moisés concordava com a justiça exercida por Deus em sua vida, e você? Pense nisso!

Quarta-feira

TEXTO: LEIA O TEXTO DE GN.18.20,21; DT. 32.39; IS.45.23

1. O justo juiz é o nosso Senhor. Que ideias são abrangidas nesta verdade? Primeiro, Ele tem autoridade. Em Dt.32.39 vemos claramente a autoridade de Deus sendo afirmada. Ele é quem mata e faz viver, fere e sara, e nada pode escapar de Suas mãos, pois somente Ele é Deus. Isso é plena autoridade. Ele não está sujeito a ninguém, somente ao Seu próprio caráter reto. Segundo, Ele discerne o que é bom e certo. Ele não age segundo a violação de Seu caráter e sendo o seu caráter bom e reto, não pode haver nele execução de justiça aparte da bondade e retidão. Terceiro, Ele discerne a verdade. No texto de Gn.18.20,21 o Senhor diz a Abraão que verificará se os clamores que chegaram até Ele acerca de Sodoma e Gomorra eram corretos para, então, exercer a Sua justiça. Ele não exerce Sua justiça sem um sábio discernimento da verdade. Como Deus é totalmente sábio, Sua justiça é verdadeira. Último, Ele tem poder para executar a sentença. O profeta Isaías coloca isso de modo muito claro em Is.45.23 quando afirma que as palavras proferidas pelo Senhor não serão revogadas e todos se curvarão perante Ele. Ele declara e cumpre o que declarou. Adão e Eva são o exemplo vivo disso. Deus declarara que eles morreriam se comessem da árvore. Ao comerem, morreram. Deus havia dito que faria. Nós precisamos ser justos como Deus é justo. Quais áreas de sua vida precisam ser ainda trabalhadas para que você consiga compreender com maior clareza as intervenções justas de Deus? Olhe para estas quatro áreas listadas e pense o quão longe você está da compreensão bíblica de autoridade; de um correto discernimento de certo e errado, bom e mal; de sabedoria para discernir a verdade; e, compreensão do poder de Deus. (Devo muito do meu pensar neste tópico ao livro "O Conhecimento de Deus" de J. I. Packer).

Quinta-feira

TEXTO: LEIA O TEXTO DE II CO.5.10; I PE.1.13,14

1. Uma noção muito vaga da justiça de Deus é a da retribuição. O apóstolo Pedro utiliza-se dessa ideia da retribuição quando se refere as autoridades humanas (I Pe.1.13,14). Nós devemos nos sujeitar a elas e elas tem a possibilidade de retribuir ao ímpio com punição e ao justo com bondade. Paulo traz a ideia de retribuição alertando-nos que todos nós estaremos perante Cristo e daremos conta daquilo que praticamos. Assim a punição pela prática do mal é justiça, bem como a honra pela prática do bem. Ambas as ações são fruto da justiça de Deus. Quando alguém é exaltado por seu justo procedimento, isso é justo! Nossa corrupção do conceito bíblico de justiça nos leva a ver a justiça somente como algo punitivo, o que é verdade, mas não toda a verdade. Ore neste momento a Deus, clamando por graça para poder exercer em sua vida uma justiça tão santa como a de Deus.

Sexta-feira

1. Vimos em Dt.32 que Moisés escreveu um cântico ao Senhor onde a justiça de Deus permeava todo o seu pensar. Quero propor um desafio a você, escreva uma música, um poema, um verso, uma oração onde a justiça de Deus como aqui apresentada brevemente seja o pensamento norteador de sua reflexão. Faça desse um momento de dependência e humildade diante de Deus.

Pr. Davi F. M. Cáceres
Autor
Pr. Davi F. M. Cáceres
Pr. Davi F. M. Cáceres
IGREJA BATISTA PEDRAS VIVAS - RUA GUACUMÃ, 535 - VILA CALIFORNIA, SP - VEJA O MAPACONTATOIBPV MAILINDIQUE A UM AMIGO
Indique um amigo *Campos obrigatórios